domingo, 1 de junho de 2008

Que se Façam os Trabalhos!

Como todos sabem, todo o profissional possui uma técnica para sua profissão. Nós, professores (não pelo diploma, mas pela postura) obviamente possuímos nossas técnicas que podem ser aproveitadas de outros professores, baseadas em nossa própria personalidade, experiências de vida e etc.

Um professor que se preze deve ter no mínimo o domínio de algumas técnicas. Na minha opinião, estas são:
- Domínio de conteúdo (ossos do ofício);
- Psicologia de Comportamento (ao sentido prático e não teórico);
- Poder de controle de massa (Vargas Style, de preferência);
- Dinâmica em sala (eu nunca prestei atenção em professores que passam toda a aula sentados);
- Vontade (independente da resistência, vontade se mostra mesmo em exaustão);
- Caráter (do tipo: eu sou professor em sala de aula e ponto);
- Organização de Pensamentos (porque não adianta somente saber);
- Didática (na minha opinião, a mais importante).

Eu sei que coloquei algumas características relativas à personalidade do professor, mas são estas características que eu mais trabalhei e trabalho como profissional. São as que, quando aluno mais admirava ou repulsava de meus professores.
Sempre tive um quê de observador e observava o comportamento de todos, inclusive o meu relacionado ao comportamento dos professores em sala de aula. Após ter começado a lecionar, percebi que muitos "showmens" utilizam de muitas técnicas, porém com pouco domínio de conteúdo e que os alunos mais "rebuscados" normalmente tinham uma negação à este profissional e que a "massa" os admirava como verdadeiros mestres.
Como elevar a didática ao extremo sem perder conteúdo e ainda, além de manter o espírito "showman", agradar aos alunos?
Esta pergunta me foi previamente respondida nas turmas da 5ª e 6ª séries.
A resposta básica é: VONTADE DO ALUNO EM APRENDER.

Se eles não estiverem com vontade de aprender, não há técnica que ajude.

Devido as pérolas que vimos antes, reparei dois problemas básicos em praticamente TODOS os alunos: Eles não sabem LER, ESCREVER e muito menos INTERPRETAR.

Então resolvi dar um tiro no escuro. Caso algum professor queira utilizar este método, TOME CUIDADO e corresponda a sua estratégia pedagógica específica para a Direção, pais, enfim, seja lá quem for.

O método é o seguinte:
Foi e está sendo passado semanalmente aos alunos textos "degustativos" relacionados à matéria, valendo -1.
-1?? Como assim?
Quem não fizer o trabalho, perde um ponto.
Por quê?
Porque se for um trabalho como "para casa", eles não irão fazer e os pais não irão olhar.
Porque quando eles estiverem na vida real, as ordens deverão ser cumpridas e caso não sejam feitas, serão eles que perderão crédito e moral perante a comunidade e sua própria índole.

Este texto então será transformando em três partes:
1ª: O aluno deverá fazer uma leitura crítica do texto, marcando as partes que achou mais importantes;
2ª: O aluno deverá utilizar estas partes mais importantes e escrever à mão um resumo do texto;
3ª: O aluno deverá montar uma redação à mão de, no mínimo 15 linhas, contando o que achou do texto e o que aprendeu com ele.

O fator risco:

O trabalho somente terá efeito se a turma tiver respeito pelo professor. Caso a turma não tenha ou realmente não mostre vontade, além de boicotarem seu trabalho, irão te queimar para os pais e para a Diretoria, ou seja, você estará fudido.

Na 5ª série, a maior parte dos alunos aceitou e apoiou o trabalho. Esta sexta, inclusive ficaram me perguntando qual seria o texto da próxima semana!

Na 6ª série, parte da turma boicotou meu trabalho e realmente, com eles, o trabalho vai ser árduo. O incrível é que quatro alunos fizeram (curiosamente os que tiraram as melhores notas: 4,5, 5,0, 5,0 e 5,5).

Aí vem a pergunta mais grave:

A culpa dos filhos saírem vazios é da omissão dos pais que não senso de responsabilidade aos filhos ou dos professores, que quando tentam, não conseguem passar a matéria?


Ah sim! A turma da 5ª Série me elegeu "PROFESSOR REPRESENTANTE DE TURMA" e de lavada!!! E nem um voto para os outros professores!!
Só espero que este mérito não seja uma batata quente.
E fui também elogiado pelo Diretor pela responsabilidade com a turma! Está de bom tamanho, não é?

E respondendo ao Meme do amigo do blog "No meio da Lanterna dos Afogados" que está no meus favoritos (eu esqueci como coloca link brother!!)

I– Qual é a sua palavra favorita?

Atualmente, PAIXÃO.

II- Qual é a palavra que você menos gosta?

Desde sempre, DÍVIDA(S).

III– Qual é o seu som favorito?

Rock, basicamente.

IV– Qual é o som que você mais odeia?

Pagode, Axé e FUNK.

V– Qual é o seu palavrão favorito?

De lavada: FODA-SE. Lava a alma.

VI- O que te anima?

A vontade das pessoas que me cercam e a minha própria vontade de ser melhor sempre.

VII– O que te repugna?

Pessoas que gostam de colocar pedras em nosso caminho.

VIII- Qual profissão, diferente da sua, você gostaria de ter?

Psicólogo, mas só de pensar naquela sala fechada e silenciosa, já fico irritado.

IX- Qual profissão você nunca gostaria de ter?

Depois de três anos tentando ser, jamais seria advogado ou qualquer coisa relacionada a Justiça ou a burocracia em estádo sólido fecal.

X– Se existir o Paraíso, o que você gostaria de ouvir Deus te dizendo quando você chegasse à porta do Céu?

Gostaria de ouvir:
"-Rômulo, não precisa mais voltar. Sinta-se em casa agora."

4 comentários:

Luifel disse...

Kra, gostei das respostas do meme...

E a vida escolar desse pais tá assim, com professores desse nível ae que vc disse, e onde vai o ensino desse país?

Abç

Stefani Ψ disse...

Eu estava com um comentário pronto em mente para você, mas quando li "que outra profissão, que não a sua, você gostaria de exercer", e você respondeu "psicólogo...", ri sozinha aqui. Isso porque estudo psicologia e faço estágio com abordagem de meninos de rua na prefeitura e participo de um projeto de extensão na faculdade em que conduzo grupos (um de adolescentes com queixa de agressividade e um com mulheres com dificuldade de lidar com seus maridos e filhos). Além disso, no ano passado, participei de um projeto em uma escola da rede municipal, em que minha missão, junto com a psicóloga da rede, era identificar e trabalhar com alunos com queixas de agressividade e de dificuldade de aprendizagem. Ou seja, a psicologia, digamos, "pós-Freud" não é mais uma sala fechada e silenciosa. rsrs..

Brincadeiras à parte, achei super legar entrar em um blog de um professor. Primeiro porque venho de uma família de professores (pai, mãe, avó materna, paterna, tia, prima e algumas primas da minha mãe). Pouco?! Segundo, porque escolhi estudar psicologia devido aos tantos professores da minha vida, além do sistema educacional no qual estava [e ainda estou] inserida desde os 6 anos de idade. Minha mãe, uma ótima alfabetizadora, me fazia questionar métodos, técnicas de alguns professores [inclusive do meu pai] e o funcionamento geral do sistema escolar.

Quanto ao seu método, acho legal sua determinação e esperança nos alunos. Se todos os professores fossem como você, a educação brasileira seria muito melhor do que vemos hoje. Eu tenho a intenção de fazer um projeto com os professores, para trabalhar essas questões de esperança nas crianças, motivação. Pela experiência que tenho em escolas de rede municipal, percebo que os professores mantém métodos que utilizavam no início da carreira profissional, uma desmotivação indescritível. Eles não acreditam mais nos alunos, fazendo apenas o que acham básico, já que "eles não vão aprender mesmo, pelo menos não me desgasto inventando coisa" (algo que ouvi e ouço muito).

Meu comentário ficou enorme, então na próxima escrevo mais. Como o assunto é de meu interesse, acabei entrando nele.

Abraço,

Talvez eu conte... um dia. disse...

meus professores nao costumam usar e nem ter nenhuma dessas técnicas
:/

Fernanda Elisa disse...

Nossaaaa!
Execelente texto.
Sem dúvidas UM DOS MELHORES POST sérios e (ao mesmo tempo) lúdico sobre Educação.
Pô, Rômulo, tô até torcendo agora pra Deus te deixar mesmo entrar no paraíso. Mas seria uma perda significativa sua postura de professor aqui na Terra.
Aprendi muito com esse post.
E problemas quanto à interpretação de textos é o primeiro da fila dos demais problemas que surgem a partir dele na escola.

Vou ler algo mais por aqui...

Beijos, e sorte, ou, sucesso, ou coragem, ou o que vc precise aí!
;)