domingo, 1 de junho de 2008

Que se Façam os Trabalhos!

Como todos sabem, todo o profissional possui uma técnica para sua profissão. Nós, professores (não pelo diploma, mas pela postura) obviamente possuímos nossas técnicas que podem ser aproveitadas de outros professores, baseadas em nossa própria personalidade, experiências de vida e etc.

Um professor que se preze deve ter no mínimo o domínio de algumas técnicas. Na minha opinião, estas são:
- Domínio de conteúdo (ossos do ofício);
- Psicologia de Comportamento (ao sentido prático e não teórico);
- Poder de controle de massa (Vargas Style, de preferência);
- Dinâmica em sala (eu nunca prestei atenção em professores que passam toda a aula sentados);
- Vontade (independente da resistência, vontade se mostra mesmo em exaustão);
- Caráter (do tipo: eu sou professor em sala de aula e ponto);
- Organização de Pensamentos (porque não adianta somente saber);
- Didática (na minha opinião, a mais importante).

Eu sei que coloquei algumas características relativas à personalidade do professor, mas são estas características que eu mais trabalhei e trabalho como profissional. São as que, quando aluno mais admirava ou repulsava de meus professores.
Sempre tive um quê de observador e observava o comportamento de todos, inclusive o meu relacionado ao comportamento dos professores em sala de aula. Após ter começado a lecionar, percebi que muitos "showmens" utilizam de muitas técnicas, porém com pouco domínio de conteúdo e que os alunos mais "rebuscados" normalmente tinham uma negação à este profissional e que a "massa" os admirava como verdadeiros mestres.
Como elevar a didática ao extremo sem perder conteúdo e ainda, além de manter o espírito "showman", agradar aos alunos?
Esta pergunta me foi previamente respondida nas turmas da 5ª e 6ª séries.
A resposta básica é: VONTADE DO ALUNO EM APRENDER.

Se eles não estiverem com vontade de aprender, não há técnica que ajude.

Devido as pérolas que vimos antes, reparei dois problemas básicos em praticamente TODOS os alunos: Eles não sabem LER, ESCREVER e muito menos INTERPRETAR.

Então resolvi dar um tiro no escuro. Caso algum professor queira utilizar este método, TOME CUIDADO e corresponda a sua estratégia pedagógica específica para a Direção, pais, enfim, seja lá quem for.

O método é o seguinte:
Foi e está sendo passado semanalmente aos alunos textos "degustativos" relacionados à matéria, valendo -1.
-1?? Como assim?
Quem não fizer o trabalho, perde um ponto.
Por quê?
Porque se for um trabalho como "para casa", eles não irão fazer e os pais não irão olhar.
Porque quando eles estiverem na vida real, as ordens deverão ser cumpridas e caso não sejam feitas, serão eles que perderão crédito e moral perante a comunidade e sua própria índole.

Este texto então será transformando em três partes:
1ª: O aluno deverá fazer uma leitura crítica do texto, marcando as partes que achou mais importantes;
2ª: O aluno deverá utilizar estas partes mais importantes e escrever à mão um resumo do texto;
3ª: O aluno deverá montar uma redação à mão de, no mínimo 15 linhas, contando o que achou do texto e o que aprendeu com ele.

O fator risco:

O trabalho somente terá efeito se a turma tiver respeito pelo professor. Caso a turma não tenha ou realmente não mostre vontade, além de boicotarem seu trabalho, irão te queimar para os pais e para a Diretoria, ou seja, você estará fudido.

Na 5ª série, a maior parte dos alunos aceitou e apoiou o trabalho. Esta sexta, inclusive ficaram me perguntando qual seria o texto da próxima semana!

Na 6ª série, parte da turma boicotou meu trabalho e realmente, com eles, o trabalho vai ser árduo. O incrível é que quatro alunos fizeram (curiosamente os que tiraram as melhores notas: 4,5, 5,0, 5,0 e 5,5).

Aí vem a pergunta mais grave:

A culpa dos filhos saírem vazios é da omissão dos pais que não senso de responsabilidade aos filhos ou dos professores, que quando tentam, não conseguem passar a matéria?


Ah sim! A turma da 5ª Série me elegeu "PROFESSOR REPRESENTANTE DE TURMA" e de lavada!!! E nem um voto para os outros professores!!
Só espero que este mérito não seja uma batata quente.
E fui também elogiado pelo Diretor pela responsabilidade com a turma! Está de bom tamanho, não é?

E respondendo ao Meme do amigo do blog "No meio da Lanterna dos Afogados" que está no meus favoritos (eu esqueci como coloca link brother!!)

I– Qual é a sua palavra favorita?

Atualmente, PAIXÃO.

II- Qual é a palavra que você menos gosta?

Desde sempre, DÍVIDA(S).

III– Qual é o seu som favorito?

Rock, basicamente.

IV– Qual é o som que você mais odeia?

Pagode, Axé e FUNK.

V– Qual é o seu palavrão favorito?

De lavada: FODA-SE. Lava a alma.

VI- O que te anima?

A vontade das pessoas que me cercam e a minha própria vontade de ser melhor sempre.

VII– O que te repugna?

Pessoas que gostam de colocar pedras em nosso caminho.

VIII- Qual profissão, diferente da sua, você gostaria de ter?

Psicólogo, mas só de pensar naquela sala fechada e silenciosa, já fico irritado.

IX- Qual profissão você nunca gostaria de ter?

Depois de três anos tentando ser, jamais seria advogado ou qualquer coisa relacionada a Justiça ou a burocracia em estádo sólido fecal.

X– Se existir o Paraíso, o que você gostaria de ouvir Deus te dizendo quando você chegasse à porta do Céu?

Gostaria de ouvir:
"-Rômulo, não precisa mais voltar. Sinta-se em casa agora."

segunda-feira, 19 de maio de 2008

O Ciclo

4ª Feira - Méier

Não sei se isto é válido para todos os professores, mas um dos sonhos que sempre tive, desde que comecei a dar aulas, era trabalhar nos lugares onde estudei e onde deixei minha marca (que muitas vezes passaram desapercebidas, devido ao meu mumificável comportamento).
Antes de descobrir que poderia ter carisma e ser quem sou, era um cara extremamente tímido, coisa de ficar vermelho se conversasse com mais de duas garotas ou se tivesse qualquer brincadeirinha mais "quente". Resumindo eu era uma múmia. Mas aí quando entrei para os pré-vestibulares fui mudando meu comportamento, perdendo a timidez até chegar a este estágio de não ter a menor vergonha na cara mesmo se desse aula para mais de 500 pessoas (na verdade este é um feitiche que tenho como professor) e ter uma aula um tanto....quente (modéstia a parte).
Então sempre insisti muito desde o início a entrar nestes colégios que estudei, enviando currículos, conversando com todos que fizeram parte da minha vida escolar, do faxineiro ao diretor e, sempre me foi percebido, não somente nestes mas em vários outros colégios que quando viam que eu era (e sou) aluno de uma universidade particular, logo faziam cara de limão ou de "século que vem entro em contato".

CAPACIDADE NÃO SE MEDE POR CURRÍCULO! E SOU A PROVA VIVA DISTO!

Então...
Na terça passada recebi a ligação do colégio que me "acolheu" durante todo o meu Ensino Médio, o que eu mais insisti de entrar, e que, posso estar enganado, mais sofri impasses por pertencer a uma universidade particular. As indiretas sempre me foram muito claras, como a do tipo:

- O não sei quem está fazendo UFRJ, por que você não?

Mas sempre de cabeça erguida encarei e aprendi a esperar meu momento. Um dia ia chegar... e chegou. Esta maravilhosa terça-feira. Obviamente assim que fiquei sabendo da minha aula no dia seguinte, soltei um berro tal como um gol de final de Copa do Mundo!
Na quarta, cada passo que eu dava soava como um filme, a preparação para uma das batalhas mais importantes da minha vida. Aquele pequeno momento, entre 10:50 e 12:30 selariam meu futuro dentro daquele colégio, tinha e tenho certeza disto. A cada segundo me lembrava de uma história que passei, as boas, as ruins e as péssimas. Meus amigos, meus não amigos, meus professores, tudo, e de quebra tentava me concentrar no caminho para o colégio.
Foi um dos momentos mais difíceis de conseguir me concentrar. Era muita coisa em jogo.
Mas quando entrei na sala, me deparei com o Diretor, que me cumprimentou e vários antigos professores meus. Um deles quando soube de minha aula disse:

- Chega mais! Agora você é um de nós!

Minha concentração na hora atingiu um novo patamar. Foi algo inexplicável me sentir a mesma altura que meus professores!
Recebi uma folha de exercícios e em pouco menos de 2 minutos já havia montado mentalmente a aula (foi muuuito foda fazer na frente de todos os professores). Quando o Ditretor me perguntou como seria minha aula dei todos os detalhes, tal como mun relatório, explicando minha metodologia e etc.
O melhor foi a reação de surpresa dele, do tipo:

"-Como alguém de particular pensa assim?" - e ele ainda não tinha visto nada...

Bateu minha hora. A sensação que tive no momento foi quase tão intensa quanto ao do meu primeiro dia de aula na carreira, lá em Rio das Pedras. Haviam me dito que na turma haviam apenas 4 meninos umas 20 meninas, ou seja, era realmente um desafio. Acreditem, meninas quando estão juntas conversam pra caramba e se você for o professor gostosão elas vão conversar porque vc é gostosão e assim vai. Se bober tem até relatório de desempenho sexual (como já me ocorreu em outros momentos)!
A aula deveria ter sido feita em câmera lenta. Me lembro o último filme do Balboa. Sofri, apanhei, até domar a turma e quando domava, era foda. Era como um barco lutando contra a tempestade e a diferença é que eu conhecia aquela tempestade, pois um dia já fiz parte dela. O perfil do aluno ali era bem difícil e como um professor outra vez havia me dito, se conseguisse dar aula neste colégio, conseguiria dar aula em qualquer outro lugar!
Ao exato término da aula o Diretor reaperaceu e deu um recado para a tuma. Este fato me fez confirmar algo.... estava me sentindo observado a aula toda e como ele adivinhou que minha aula tinha acabado, tão repentinamente assim???
A parte boa foi que ele chegou para mim, me cumprimentou e disse com cara de orgulho:
- Parabéns, a partir de agora, você é nosso monitor. Assim que precisarem você será nosso primeiro nome. Para todas as séries.

Missão 0.000001 cumprida. E é só o começo...

Por sinal estava pensando numa frase em homenagem aos que acham que todos que são de particular são inferiores por causa de uma porcariazinha de diploma.

"Estar em um lugar mais fraco (particular) é válido demais. Se estivesse em um lugar forte, seria covardia demais na competição com o resto (públicas)."

Esta é para fechar:

"Limites só existem para quem é limitado."

Até a próxima.

domingo, 11 de maio de 2008

As Provas

De tanto alguns amigos meus pedirem para postar as pérolas das provas do 6º e 7º ano, resolvi postar as dádivas que meus alunos escreveram nas provas e testes:

6º Ano - TESTE

1) Em uma noite de céu claro e estrelado, um viajante encontra-se perdido na floresta e seu GPS está quebrado. ele dispões de dois outros meios de localização. a) Quais são estes instrumentos?

- Catavento
- Buzula
- Bussólar
- Bussôla
- Brussolá
- Lanternas e ferramentas
- Bucha
- Pode pegar mil madeiras e colocar fogo. Pode ligar também para a guarda posteira.
- Colocar fogo na floresta e ver o caminho
- A bunda

b) O viajante poderá utilizar outro meio de localização? Qual?

- Biruta
- Seguindo o barulho das pessoas
- Pelo Sol

3) Relacione terremotos com placas tectônicas.

- Furacão, tornado
- Erosão
- Ferros
- Homdas di çom
- Se os teremoto juta as placas tequitomica, irá ter uma grande explosão.
- É uma explosão imensa que irá matar todos

6º ANO - PROVA

3) a) Que oceanos banham a América?

- Índico
- Antártico
- Pássifico
- Oceano Cilíndrico
-Sim
- Antártica

b) Em relação ao Continente Asiático, identifique seus limites.

- São tantos...

4) a) Num passado remoto, foi lançada a primeira teoria a respeiro do Sistema Solar. Identifique-a.

- o lançamento do Sol
- espaço cíderau
- magma
- Não? Porque o REMOTO só teve uma vez no Brasil.
- Que os Sol giram em torno da Terra
- quando um astronauta foi pro espaço, ele morreu.
- Ta derretendo troço no pólo norte.
- Porque todos pensavam que o sistema solar quebrou e explodiu um foguete
- Planetas

6) Durante o movimento de translação, há períodos em que um hemisfério recebe mais luz que o outro. a) Por que isso acontece?

- O Sol apaga de noite
- A influência da comesanollste (??)

b) Qual a influência do movimento de translação na agricultura?

- Porque a planta vai crescendo mais rapido?
- Sim
- Sereia

7) a) Em que consistem as erupações vulcânicas?

- Guarda em Chamas
- Clima magmático
- Cósa dos terra motu
- A terra está muito quente

b) E os terremotos?

- Quando estão perto do inferno
- As placas são invisíveis e explodem
- As roxa se xocão em bacho e quente.
- Por que as pessoas não pagam impostos para a prefeitura

7º ANO - TESTE

2) Explique as consequências de um péssimo sistema de saneamento básico para a população.

- Sujeira mata
- Donuts
- Auto níveu de mortos
- Não chega abla ma casa das pessoas não tem egoto, çugeira.

7º ANO - PROVA

2) No século XVI, partiram do litoral brasileiro caravelas carregadas de castanha-do pará, caará, guaraná em direção à Europa. a) Como eram conhecidas estas espécies vegetais, naquela época?

- Grãos
- Semente
- Certão
- Biodiversidade
- Ouro e prata
- Comidas do Certão
- Drogas

7) a) As mulheres, atualmente têm menos filhos que no passado. Por quê?

-Por causa dos móveis
- Por que no passado tinha mortalidade infantil
- Por que as mães matam os filhos
- Sim.
- Eu acho porque elas trabalha?
- Porque hoje em dia não é mais como antigamente.

Agora a pergunta que não quer calar:

QUE PORRA É ESTA??

quarta-feira, 30 de abril de 2008

Revolta

Méier - Del Castilho - Terça-Feira

Pré-Vestibular

Definam pré-vestibular. Ao meu ver é um lugar onde, basicamente alunos se preparam para ter uma vaga dentro das principais universidades do país. Pensem agora no significado de pré-vestibular comunitário. Ao meu ver novamente, é um lugar onde pessoas de várias idades diferentes, normalmente pertencentes às classes menos favorecidas tentam, na marra, competir com quem se dedica exclusivamente e gasta centenas ou minhares de Reais por mês para entrar nesta competição.
O maior problema é que estes alunos de pré comunitário normalmente não tem base, devido ao nosso agraciado sistema de ensino público. Além disto, são frequentes casos de alunos e alunas que ficaram sem estudar por anos, alunos inclusive idosos, que pegaram um caderno pela ultima vez na década de 80 (existem sim).
Ao contrário dos grandes pré-vestibulares espalhados pela Brasil, os comunitários tem um propósito básico: oferecer uma chance a quem realmente precisa e que não tem a famosa "costa quente" quando se formar, ou seja, quem terá que ralar de verdade para conseguir qualquer coisa.
Não posso negar que quando comecei a dar aulas em projetos comunitários tinha em mente apenas o fator experiência "laboratorial". Afinal de contas, ainda não tinha certeza se era mesmo aquilo que queria. Mas aí, na primeira aula da minha vida, que foi numa turma de Segundo Ano do ensino Médio de um pré comunitário em Rio das Pedras ouvi algo que me fez perceber que aquele era meu destino. Esta simples frase:

- Obrigado, professor.


Nunca havia dito isto para nenhum professor meu. O psique do aluno normal é: O professor me dá aulas porque é o meio de sustento dele. Ele deve isto as mensalidades pagas e convertidas em seu salário. Errado. Por 20 anos de vida escolar, eu estava ERRADO.
Aprendi que com um simples "obrigado professor", havia uma necessidade deles, alunos sentirem-se acolhidos por alguém, alguém que, finalmente lhes passasse uma simples mensagem de que o túnel não é tão escuro quanto parece ser e que caso não tenha luz nem o final dele, Não se assuste. A visão não é o único sentido que podemos contar. Muitas vezes o esquecido TATO é o sentido mais precioso.

PROFESSORES E ALUNOS SÃO, DEFINITIVAMENTE, CARENTES DE TATO.

Mas então. No dia seguinte fiquei sabendo através de uma amigona minha da faculdade que um pré-vestibular comunitário em Del Castilho estava precisando de professor de geografia. Seriam duas turmas: uma de aproximadamente 90 e outra de 55 aproximados também. Ela, por ser uma excelente e experiente professora, já havia conquistado o tão desejado "link" entre professor e aluno. De cara aproveitei a oportunidade e "fisguei" a turma. Pela segunda vez consecutiva na minha vida alguém me dava uma chance. E eu era calouro dela! Seria muito justo ela me dizer que não estava preparado, mas ela confiou em mim e sou eternamente grato a ela por isto (não chore quando ler esta parte, tá?).
Peguei uma turma que, por gostar muito dela, não queria que um cara como EU (cara de nerd, baixinho e boca suja) a substituísse. Faria o mesmo no lugar deles. Mas aí, ao final de uma das aulas, um casal de alunos repetiu o feito do dia anterior: agradeceu pela minha presença.
Não poderia desistir destas turmas, pensei. Juntei toda minha força e encarei, desprezei todos os comentários sobre o fato de me desdobrar em aulas para comunitário, como se aquelas pessoas, carentes de ensino e talvez (ou principalmente?) até de esperança não fossem gente.
Tenho orgulho de dizer que continuo dando aula nestes lugares e tenho mais orgulho ainda em saber que 80% da minha didática é proveniente da experiência com eles. Tenho também orgulho de saber que todo meu esforço foi e é retribuído pelos meus alunos (ao contrário do ensino tradicional, público ou privado). AMO dar aulas e não enxergo classe social para isto. Se tiver que lecionar em casa de sapê ou palafita eu leciono no mesmo nível que um colégio de classe muito alta. São todos humanos, todos têm que ter chance de vencer. TODOS.
O mais curioso detudo, é que muitas pessoas, que se dizem "guerreiros da liberdade!", "guerreiros da luta social vermelha", "Marxistas ao extremo" e toda esta babquice são normalente os primeiros a desistir.

NÃO IMPORTA SUA IDEOLOGIA OU SUA RELIGIÃO. SE VOCÊ SE PROPÔS A ALGO, NÃO TRATE SUA PROPOSTA COM DESDÉM.

Muitos destes professores pensam que por ser comunitário, não há a necessidade presencial. Esquecem que são pessoas em busca de um futuro melhor. Esquecem que eles como professores tem um objetivo simples: CUMPRIR SEU TRABALHO. Muitos aparecem uma ou duas vezes por mês, sem ao menos avisar, como se mais de 100 alunos representassem um "caso amoroso", do tipo que se usa por um tempo e depois larga, para quando tiver a fim, voltar como se nada tivesse acontecido. Alunos sentem com a ausência do professor tanto quanto o professor sente a ausência dos alunos. A diferença é que sempre quem sai perdendo é o aluno.
Particularmente, eu tô cansado de ver este desprezo dos ditos "profissionais da educação" quanto suas responsabilidades em comunitários. Se você, leitor ou leitora quiser abraçar a causa, abrace! Mas faça com vontade, a recompensa, vocês terão ao final do ano. Quando chegar lá, conto a vocês.

Até a próxima!

terça-feira, 22 de abril de 2008

De volta!

Então, devido a eventualidades ótimas (ups, início de namoro ^^) demorei pra postar...
Mas tô de volta!

Como se passou muito tempo, vou me dedicar a última semana de aula e suas principais pérolas.

4ª Feira Méier- Vila da Penha:

Chego lá mais cedo para pegar meu pagamento (pobre é um animal desconfiado, né?) e já ficar de consciência tranquila para continuar meu trabalho, quando uma grande amiga minha e também professora me liga perguntando se poderia substituí-la em duas turmas de Fundamental - 5ª e 6ª séries no ... RECREIO.
Primeiro e antes de mais nada, gostaria de manifestar alguns pensamentos:
- RECREIO = terra de emergentes
- emergente = gente sebosa, em minha opinião, do pior tipo possível, normalmente
Pode parecer preconceito, e o que for, mas definitivamente não gosto de pessoas que, por morar em uma porra de condomínio e serem limitados a marcas e clichês se consideram donos do mundo. Óbvio que existem raras exceções.
Mas então, como esta minha amiga já bem sabia de minha linha de pensamento, disse que seria uma ótima experiência (dito e feito) para o meu lado profissional.
Mas aí, quando ainda estava entrando na sala de aula me deparei com uma cena grotesca:
Paredes cobertas de trabalhos de biologia sobre pênis! Com o impacto, logo soltei (esquecendo que estava ao telefone):

- Que porra é esta? Tem um monte de piru na minha sala?
De cara um dos alunos soltou alto:
- Sabia que ele ia soltar uma destas! - como se tivesse ganho uma aposta.
E a professora ao telefone atônita:
- Porra, tô passando mal aqui, te falando das aulas no Recreio e você diz que tem um monte de piru na sala? (e rindo, a escrota)
De cara quando reparei a cena fiquei roxo.
Mas então pra descontrair (mais?) o ambiente, logo comecei a zoar os pênis "adoecidos" das fotos. Principalmente um que parecia um tatuí. Se algém de biologia ler este, explique-me o que causa pênis de tatuí. Espero nunca ter este problema estranho.

Mas a aula foi bem forte, rápida e ignorante. Perguntas rápidas para respostas complexas, porém didáticas. Acho que este molde de explicação está ajudando mais eles.


5ª Feira - Méier - RECREIO:

Inicialmente gostaria de dizer que a primeira impressão que tive foi excelente. Excelente porque, pela primeira vez, daria aula de jaleco! Cara me senti sexy demais naquele negócio! Dá muita moral!!
O melhor foi ver a cara de espanto dos alunos ao verem um sujeito novo pra caralho entrando na sala de Fundamental e DE JALECO! Cheguei na sala estilo Godfather: impiedoso.

5ª série:

Imaginem Malhação. Alguns nerds, o gordinho metido a pegador, o pegador, as patricinhas que fingem pureza, e os mauricinho, filhinhos de papai que se acham o máximo. Só faltava o anúncio da Globo para aquela sala. E era uma 5ª série! E pior. Todos funkeiros com apelidos de personagens de filme de tráfico.
Como estratégia didática, utilizei as diferentes formas de evolução das favelas do Rio para aplicar a matéria. mamão com açúcar, apesar dos estresses típicos de Fundamental. Ganhei a turma, acredito e voltaria a dar aula para eles. Os emergentes são menos aborígenes do que pensei, imaginando...

6ª série:

Errado. É uma escala involutiva, só pode ser! Antes de mais nada gostaria de avisá-los que o palavrão mais forte que falei em uma turma de Fundamental foi "porra" e, mesmo assim, porque me tiraram do sério. Esta sala deveria ter um apelido: INFERNO.
Primeiro:
* Entro na sala com cara de ódio (já sabia um pouco da fama da etnia emergente pré adolescente)
Segundo:
* Em voz alta digo:
- Bom dia! Meu nome é Rômulo. (silêncio)... - Mas pode me chamar de Romulooww.
(ESTA É A PARTE QUE ME ARREPENDO)
A turma de bárbaros saiu do eixo...
e saiu mais do eixo....
e mandei calar a boca.....
e ninguém calou.....
e fui ficando puto.....
e mais puto......
e pedi silêncio batendo no quadro.....
e cagaram pra mim......
e gritei sem soltar som a seguinte reza: (tirem as crianças da frente do pc)
- Seus filhos da puta playboyzinhos de merda! Eu quero dar aula, porra! Não sou que nem o filho da puta dos seus pais que devem dar meter no cú dos outros pra pagar esta porra deste colégio! Puta que o pariu!

Metade da turma me viu gesticulando esta reza como o Chaves e ficou quieta. A outra metade que entendeu a reza me olhou assutada. Ótimo! Ganhei...5 minutos de folga! Vou tentar dar aula!
Aí consegui. Por suados 42 minutos. Minha voz, que aguenta turmas de mais de cem pessoas por mais de 6 horas acabou em 42 minutos. Aí um sujeito playboyzinho me levanta, sem minha permissão e diz assim:

- Aê, fessô! Vou dar uma mijada, valêo? E coçou o saco naminha frente e foi andando.
De cara e em alto e bom tom (o que restava) disse:
- PODE IR, MAS NÃO VOLTA.
A turma, filha da puta, ficou em silêncio pra ver no que dava. (emergentes queimam professores)
Aí o emergente disse:
- O SENHOR SABE COM QUEM ESTÁ FALANDO? MEU PAI TRABALHA NA REDE GLOBO!
Nestes momentos que pedem um "foda-se" redondo, deve-se manter o profissionalismo. Respirei, e falei em tom ártico (com tom de foda-se também):
- NÃO GOSTO DA REDE GLOBO. PODE SAIR DA SALA.

A turma, imediatamente ficou em silêncio. Pelo menos por alguns minutos. No outro tempo e comigo já sem voz, o garoto globinho ficou na dele, sem querer aparecer. Pela mudança de comportamento, fiz um breve elogio a ele na frente da turma. Eles não tem culpa de ter pais que só servem para dar carteirada nos outros.
Ao menos, alguns alunos se interessaram e gostaram da aula. Menos pior.

A partir desta aula, uma coisa incrível aconteceu: Não consegui ficar de pé todo o tempo em nenhuma aula. Todos os alunos do pré vest de Rio das Pedras de noite aos alunos do Fundamental de Brás de Pina se assustaram com meu estado. Foi com certeza, uma experiência marcante a aula para os emergentes.

Na próxima..... que me aguardem..... vou fazer o sangue pobre deles emergir de novo. Playboyzice pra cima de mim de novo é o caralho! \o/

terça-feira, 8 de abril de 2008

Novas Experiências

Opa!

Antes de mais nada, gostaria de dizer que ser fiscal de prova é realmente uma das tarfas mais chatas em um colégio. Você se queima (um pouco) ou faz papel de otário. Não existe vantagem... a não ser pelo fato que você recebe uns trocados por isto.
Agora, quem os alunos não esperem piedade minha na próxima prova...depois que eu descobri que fazer prova é um saco e corrigir pior ainda, trolha nos coladores!

Segunda-Feira, Méier - Madureira

7º e 8º Anos

Monitoria com duas turmas de séries diferentes foi uma experiência nova. Mas não foi previsto. Como todos os alunos do 9º Ano resolveram biocotar minha aula pra ter educação física, então perguntei aos inspetores se teria mais alguém para a monitoria, mesmo que não fosse do dia. Pô gastar dinheiro para fazer nada é um saco e eu tava no cio de aula! Tinha que dar AULA para alguém!
Resultado: três meninas (duas do 7º e uma do 8º) foram à minha sala com aquela cara de "vamos ajudar o coitado".
No início já descontraí o ambiente. Falei uma babaquices e de cara soltei um "foda". Professor quando fala palavras do tipo foda ou mais grave o aluno já fica: "Nossa! Ele é gente!"
Mas é claro que não vou chegar numa sala assim:

- Bom dia, seus putos! (coçando o saco)
- Agora vamos começar logo esta merda de aula porque fudi mal prá caralho ontem!! (e cuspo no chão)
Não consigo imaginar uma reação de turma, mas alguém faria o sinal da cruz provavelmente.
Até os palavrões tem hora para serem utilizados: estratégicamente ou não.

Mas então...
Tive uma nova experiência em sala também. É a primeira vez que tive uma aluna EMO. Com franjinha de lado e tudo. De cara, óbvio, perguntei como andava os pulsos dela (para descontrair, ok?). Ela entendeu a brincadeira e foi bastante participativa na aula, mesmo dizendo publicamente que não SUPORTO estas bandinhas toscas. Rock brasileiro, pra mim teve seu término com o Vossa Excelência dos Titãs. Devem ter aberto uma CPI contra eles depois desta... acho que é por isto que sumiram.
Voltando...
Ao final do meu tempo com elas (ainda ficaria esperando por almas até as 16 hs e eram 15 e pouco), aconteceu algo que achei foda: Elas não foram para a outra aula e continuaram assistindo minha aula e as explicações. Foda né?

2º Ano - Dependência

O aluno faltou mas pelo menos recebi o meu!

Até quarta!

sexta-feira, 4 de abril de 2008

O gás

Quinta-Feira, Méier - Rio das Pedras

Pré-Vestibular

Bem, se tem algo que eu aprendi e bem é a ter o poder de animar ou desanimar muito alguém. Mexer com o psicológico das pessoas foi uma "habilidade natural" desenvolvida e trabalhada por mim desde cedo (óbvio que ainda falta bastante pra chegar no ápice). Esta característica foi um dos fatores que amadureceu meus pensamentos, minhas idéias e também não menos importante minha paciência.
Por que disse isto? A situação da turma era a seguinte:
A maior parte (de origem pública) tinha uma base de conteúdos próxima a zero mesmo no terceiro ano e quando viu o simulado feito pela nossa equipe... tombou literalmente.
Uma parcela desistiu no meio do caminho, deixando o cartão respostas das objetivas e discursivas em branco. Como o esperado desistiram rápido, tal como foram criados desde o início de sua vida escolar financiada pelo nosso honorável poder público.
Por consequência, quando viram o resultado (os poucos que fizeram), perceberam que suas notas foram muito baixas e desanimaram.
Vendo este estado deprimente da turma, utilizei este meu "amado" poder de persuasão (pena que não uso ele pra ficar sempre por cima) para convencê-los de que era apenas o começo e que o vestibular é composto de derrotas o ano inteiro para que a vitória ocorra na hora da prova. Que era um novo ponto de vista que eles teriam a partir daquele momento: O ponto de vista de quem pensa, critica, erra, não desiste e quer vencer na vida.
Estes elementos são fundamentais para a vida e sem eles não tem como progredir.
Óbvio que como bom metaleiro e que sou, incentivei vários gritos de guerra e vitória pra dar aquela animada. Resultado: Ganharam gás e a porradaria continuou. E aguentaram.

Sexta-Feira, Méier - Brás de Pina

7º Ano

A primeira coisa que fiz foi ler o texto do último post. A seguir disse que este é o cenário que, nós, como agentes modificadores do futuro encaramos e desprezamos todos os dias. Que o que não damos valor, outros dão e matariam para ter (Ex.: comida e água). E pedi para que eles abraçassem os parentes que os colocaram para estudar e que eles fazem isto porque querem que eles os superem. O mínimo que eles merecem e esperam é gratidão. Dinheiro não paga isto. O lucro é da alma e do coração e ninguém pode tirar. Disse também que como professor eu exijo que me superem pois, com isto teria motivos de sobra para sentir orgulho deles. Além disto tudo, também disse para darem valor a quem está na frente deles em sala de aula, pois se fazemos isto é porque acreditamos que podemos mudar o futuro.
Quando acabei de falar, três garotas já estavam em prantos, um menino (um dos bagunceiros) estava segurando o choro e o restante da turma gerou algo que nunca vi na minha vida: Algo parecido com uma "energia" de aceitação, como se todos ao mesmo tempo se mostrassem gratos por serem valorizados e por alguém, sei lá, ter mostrado quem é o real inimigo. No mesmo momento meus olhos se encheram de lágrimas e numa tentativa de não mostrar a emoção, iniciei a aula com muita, mas muita matéria....

6º Ano:

Nesta turma repeti o mesmo texto, só que logo vi que, talvez pela maioria ainda ser muito infantilizada apenas acharam bonito o texto. Reparei de cara que o que reinava era a curiosidade pela experiência.
Ahh! Esqueci de contar! A Experiência!
Foi assim:

"Planeta na Garrafa"
Material:
- Duas garrafas pet (ou menor se quiser)
- Areia
- Feijão
- Bolas de isopor

Objetivo:
- Relacionar a diferença de densidade dos materiais da experiência com a formação do núcleo, manto e crosta.
- Aplicar a noção de separação de elementos proposta com a formação do NIFE ( areia), Manto (feijão) e SIAL e SIMA (isopor).
- Criar a famosa "curiosidade geográfica", ausente na vida da maioria da população.

Método:
- Sacudir o recipiente e ver no que dá ^^

Reação da turma: OOOOHHHHHHHH!!!!! QUE MANEIRO!!! COMO ELE FEZ ISSO?? O PROFESSOR É MAGO!!!

Aí eu expliquei a matéria e depois dei aula de exercícios - Rapadura é doce mas não é mole, hehehe
Nem preciso dizer que eles ficaram afoitos por uma nova experiência.

Brás de Pina - Méier

Pré-Técnico:

Aula muuito viagem. Geologia comigo é sempre uma orgia de viagem entendível (normalmente). O professor tem normalmente três opções neste tipo de aula: Ou faz a turma viajar e entender, viajar a boiar legal ou dormir. E não foge muito disto. Quando aluno prefiria a terceira sem dúvidas!
Mas aí aparece o coringa da aula: A vontade de peidar.
Puta que pariu!! Porque professor não pode peidar com vontade?? Caraca! Segurar um peido por uma hora pode me render broxices no futuro!!! E eu não quero isto!!
Sem sacanagem, quando ficar velho no magistério vou peidar sem classe nenhuma na frente da turma... tipo velho bêbado de bar em dia de jogo. Nem espera o gol e já solta os fogos amarradão!

A tática foi ficar atrás do ventilador e falar uma merda. Pô, faltava 25 minutos pra aula acabar e não estava aguentando. Presisava mandar o "gás" antes que a próstata sentisse (por que eu escrevi isto?). Aí na hora da gargalhada eu soltei o maior HAHAHAHA-PLOFT-PLOFT-HAHAHAHA acompanhando a gargalhadada turma.

Leveza reina...

Amanhã fico de fiscal da prova!! Tenho que escrever sobre isto!!! Até sábado ou domingo então!!

quinta-feira, 3 de abril de 2008

A Hora da Virada!

Quarta-feira, Méier - Vila da Penha

Bem, inicialmente tive uma má notícia: Não daria mais aula nas sextas de noite, pois a procura era muito baixa e era prejudicial para o colégio estar pagando um monitor e ninguém aparecer. Etão certos, mas infelizmente a não dúvida dos outros interfere no meu bolso, ou seja: Que não entendam nada nas aulas e nas provas da próxima vez e me procurem!! Assim eu garanto pro meu (hehehe).

A boa notícia veio em partes nesta quarta. Inicialmente quando chego na sala só havia um aluno. Quando o vi logo pensei: "- Agora já era...perdi."
Mas ergui a crista e fui explicando a matéria sendo o mesmo Romulooww de sempre. Fui de La Niña e El Niño a Economia Mundial e Cartografia!
Aí, com a recuperação da concentração (temos que disfarçar toda hora, não é professores?) começou a chegar mais e mais alunos e minha concentração e empolgação foram aumentando cada vez mais, até o estado realmente normal!
Recuperar a confiança é sempre bom, principalmente quando a maré está contra você.
Aula boa, recuperação melhor ainda. Porém a má noticia é que não apareceu ninguém no primeiro ano e ficou estabelecido que na próxima semana as turmas serão juntadas e, por conseqüência, minha carga mais diminuída ainda. Fazer o quê? Torcer para o pessoal do primeiro ano se ferrar nas provas?? CLARO QUE SIM!!
A dúvida deles significa dinheiro pra mim e isto é ótimo! Melhor pra mim, claro. Quando se trata de negócios de risco (acreditem, pra quem é de universidade particular e quer entrar no mercado de professores bem pagos, a missão chega perto do impossível. Uma falha é fatal e o nível da aula tem que ser muito superior aos de universidade pública para compensar o peso do currículo) , proteger o seu faz toda a diferença. E no caso é expor o meu! Uma explicação foda é passaporte para os bons olhos de todos e além de tudo a quebra de todo um ciclo de preconceitos.

Bem, para as aulas de hoje e amanhã, separei uma supresa que alguns alunos já conhecem. Agora é o primeiro momento para conscientização e o famoso "setocation". O texto é este:

SE A POPULAÇÃO DO MUNDO TIVESSE 100 HABITANTES
seriam:
61 asiáticos
12 europeus
13 africanos
8 norte americanos
5 sul americanos e caribenhos
1 do continente oceânico

50 homens / 50 mulheres
47 vivendo em áreas urbanas
9 com algum tipo de deficiência

33 cristãos(sendo católicos, protestantes, ortodoxos, anglicanos e outros)
18 muçulmanos
14 hinduístas
16 ateus
6 budistas
13 de outras religiões

43 não possuem saneamento básico
18 sem recursos relacionados a água
6 pessoas possuindo 59% de toda a riqueza do mundo
13 sofrem de fome ou são desnutridos
14 não sabem ler
7 têm educação secundária
12 tem um computador
3 possuem conexão com a internet
1 adulto com idade entre 15/49 anos tem AIDS

OS GASTOS MILITARES FORAM DE 1.12 TRILHOES DE DOLARES E SOMENTE DE 100 BILHOES EM AUXÍLIO AO DESENVOLVIMENTO

SE VOCÊ COLOCA COMIDA NO REFRIGERADOR, SUAS ROUPAS EM UM ARMÁRIO, POSSUI UMA CAMA PARA DORMIR E UM TELHADO SOBRE SUA CABEÇA, VOCÊ É MAIS RICO QUE 75% DA POPULAÇÃO

se você possui uma conta no banco, então é uma das 30 pessoas mais ricas do mundo

18 pessoas trabalham para viver ganhando 1 dólar por dia ou menos( +- R$60 por mês)
53 ganhando 2dolares ou menos(R$120 por mês)

APRECIE O QUE VOCÊ TEM E FAÇA O SEU MÁXIMO PARA UM MUNDO MELHOR

www.theminiatureearth.org

Carta na manga amigos...carta na manga.
Agora é torcer para dar o efeito certo!
Torçam por mim!

quarta-feira, 2 de abril de 2008

Robin Hoods do Pó

Antes de começar a falar sobre as aulas, eu tenho que destacar de novo que professor é humano também. Acreditem, nós erramos, sentimos (normalmente) quando a aluna gatinha faz "chantagem sexual" (para as professoras também ocorre) para nós, e é claro, percebemos quando o aluno te odeia e quando te adora, isso é fato!
Na verdade me importava muito com a aprovação do aluno quanto meu nível de aula. Quando aluno de colégio, eu não tinha a menor piedade e cagava pra determinados professores. Dormia em aula, ficava desenhando a mesa, batia papo direto (de uma forma discreta, senão ia ferir a reputação de "cara de nerd"), participei de guerras épicas de giz e até arremessamos materiais nas pessoas (esta não me orgulho... fomos quase selvagens naquele momento \o/).
Isto, na pele de professor soa totalmente diferente. Um aluno que caga pra você em aula pode significar várias coisas: de "-Porque este puto não cala a boca?" e "-Que droga! Cansei da voz dele!" a "-O que eu devo jantar hoje?"
Então eu tive que aprender a "aular" como um bom beijo longo. Há momentos em que a turma fica em pleno fogo! Mas tem sua hora de cansar. E o professor idem. Está é a parte que eu tenho que aprender melhor. Quem cansa...

Terça-feira, Méier-Itaipú

8º Ano:

De volta aos 3 alunos de sempre, a aula correu como de costume: bem descontraída, explicações densas, porém tão leves que acho que nem sentiram e um pouco de folga. A recuperação daquele susto de dengue foi um sucesso!

9º Ano:

Véspera de prova, turma cheia! Como havia dito, quanto mais próximo do Ensino Médio, mais apimentada é minha aula e, por consequência, maior o nível. Não foi diferente e, sem sacanagem, pisei!
A aula começou e o objetivo era relacionar Revoluções Industriais, DIT, migrações internacionais e migrações de capital/ relações de produção - Nível fácil. Como esta parte é uma das que mais gosto, segui o famoso método pingue-pongue chinês - porradas épicas com respostas rápidas com direito a efeitos! Até aí, perfeito! Quem já tinha aula minha tava gozando e quem tava pela primeira vez (bagunceiros pra variar) ficou assustado. O objetivo da monitoria ali, ao meu ver, era despertar a matéria que eles já sabiam, por isto a boa velocidade da aula.
Até que vejo um Niteróicard (cartão pra passar em ônibus) fazendo fileira no fundo da sala...
...
FAZENDO FILEIRA??????
Não é que um dos moleques raspou a balinha de hortelã (a branquinha da Garoto) e fez de cocaína? E na minha aula??


A DITA CUJA

Quando reparei a cena, um dos moleques da frente pensou alto: "-Tá fudido..."
Obviamente cheguei pro moleque e falei bem alto: "-Ô cheirador de balinha! Tá curtindo a onda??"
E a partir daí o aspirante a dono de boca com cáries chegou pra mim e perguntou:
"- Quer um trago, fessô?"
e eu brincando...
"-Prefiro a pedra bruta.... pozinho de bala é coisa para fracos." (hahahahaha)
Aí o outro (o cara do cartão) diz: "- Pô, fessô, então é mais caro."

Aí vem os pensamentos:
1º Tropa de Elite + Cidade de Deus = Ácido na cabeça de mané
2º Cheirador de balinha?? Pra quê? Catarros refrescantes??
3º Por que não nasci Talibã de vez??

Reparem que depois da última frase surgiu uma discussão inédita: O que é mais caro? O pó ou a pedra? É engraçado.... de uns tempos pra cá ser metido a traficante cheirador virou feitiche de Robin Hood (pega a mina, finge que é mal pra aparecer e acha que roubar a playboy do papai define sua virilidade).

+ = ??????

E pensar que se estes moleques vissem um traficante da vida armados até os dentes iam se mijar todos de medo.... Fazer o quê?
Consegui fechar a discussão sem perder o fio da meada, a aula teve este "momento de descontração" e fluiu bem no final das contas... boa aula com bons freios! Do jeito que eu gosto!

6º Ano:

Foi uma coisa divertida esta aula. Por ser a última peguei bem leve, mas cobrei exercícios. No final da aula a menina disse que sempre que tiver dúvida na matéria vai pedir monitoria individual comigo. Maneiro, né? Fiquei felizão aquela hora!
Missão cumnprida.

Itaipú - Del Castilho

Pré-Vestibular:

Mais uma vez a professora faltou e eu tive que juntar as turmas. Apesar de gostar de salas cheias, neste tipo de caso passa a ser algo chato. Eles sabem que fiz isto para cobrir os tempos e que, talvez se fosse outro professor, não o faria. Se alguém quiser dar aula em pré comunitário, evite faltar e, caso tenha que faltar, ligue para dar satisfação. Os alunos sentem isso e é você que se queima.

A aula teve muito mais momentos de descontração do que conteúdo em si. Fiz de propósito, pois a turma estava um tanto tensa pela falta da professora. Dar aula nestas condições exige muita cautela e com um quadro com menos de 1 m² de área para mais de 90 alunos é foda. Aproveitei a ocasião para puxar mais a aula. O tempo de 40 minutos foi prolongado para quase 80 e foi percebido que eles estão cansando rápido. Eles têm que perceber que é pré-vestibular e o tempo é precioso. Brincadeiras são para relaxar a mente, mas se eles não entenderem que puxar o tempo de aula de vez em quando é realmente necessário, já era. O jeito vai ser aumentar o sério. E rezar para que o tamanho do quadro aumente. Falta de referencial na hora da aula cansa.

Valeu galera! Até a próxima!

sábado, 29 de março de 2008

Combo de desespero, quase um nocaute!

Bem, infelizmente não tive tempo para postar de quarta pra cá, então irei colocar só os melhores (ou piores) momentos de cada turma.

Quarta-feira, Méier - Vila da Penha

Pré-Vestibular:

Ainda de ressaca da febre e realmente rezando para minha voz aguentar, mais uma vez fui descascado, só que desta vez fiz um simulado de específica todo de cabeça e acertei tudo!!! moar... moar... moar...
(Para quem não sabe, normalmente os professores recebem o material de exercícios antecipadamente e montam a aula, por isto o desempenho digno de inveja e a cara dos alunos de 'como ele sabe disso?' - Lembrem-se de vez enquando somos humanos em sala, logo há chances de erro quando o material é dado na hora)
Além desta, ainda deu pra bater um papo muito cabeça da turma! Até aí, perfeito!

1º Ano:

Turma boa, galera inteligente, aula foda (Toyotismo, eu, sabe como é né?) e furadores.
Porra??? Furadores??
Imagina a cena: Eu explicando e na hora que me empolgo... ZZZUUUUUÍÍÍÍÍÍMMMMMMMM daquela porcaria de furadeira na parede da minha sala!!! Ahhhhrrr!!! Que vontade de mandar um Tiros em Columbine no cara!! Mas deu pra levar a aula bem até o final. O problema foi a sequela de voz...

Quinta-feira, Méier - Rio das Pedras

Pré - Vestibular:

Para quem sabe, aula de Fatores e Elementos do Clima e depois de Guerra Fria (Velha Ordem Mundial) comigo é sempre uma orgia!! Orgia por que quando começo a falar de clima, a matéria é 'esquentada' se é que me entendem...
Não, eu não abaixo as calças em sala!!! Mas falo algumas coisas fora do padrão, principalmente na explicação de elementos do clima. Exemplo: "-Lembra do peitinho durinho no banho frio?" e vai por aí...Em Guerra Fria, a teoria da cadeira, do fedorento e do pegador deram certíssimo!!
A turma não poderia estar melhor curtiram a aula, participaram e aprenderam! Perfeito!

Sexta-feira, Méier - Brás de Pina

Antes de mais nada, gostaria de dizer que quero que o pessoal da administração da Supervia morra lentamente. Atrasei meia hora minha aula por causa do maldito trem!! Também, quem mandou ser pobre? Maldito karma!! Devo ter sido algum político novo em outra vida - rico, pega só mulherão (consequências) , dá calote e fode todo mundo! Só pode ser!!

7º Ano:

Apresentação dos trabalhos. Para dizer a verdade eu estava com muito medo das apresentações. Apresentar trabalho pra turma sempre foi muito fácil para mim (mesmo na era timidóide), mas criar um para uma turma, é coisa do cão. Primeiro porque mesmo com o "vale ponto" sempre tem um filho da puta que não faz e destrói a dinâmica do trabalho (e foi o que aconteceu).
Resultado: Adaptei a aula pra uma espécie de explicação conjunta minha e do grupo que apresentava. Ficou uma merda, minha voz acabou quando mais precisava, todos saíram com cara de taxo... foi caótico.


Meu provável futuro uniforme de professor de Fundamental

Pelo menos foi legal saber que alguns grupos davam valor a minha aula e ao trabalho e participaram inclusive muito bem.
Para completar a minha desgraça, o supervisor entrou na sala dizendo que a turma fazia muito barulho e estava atrapalhando o colégio todo. Agora, além de pobre, atrasado, sem voz e com uma aula fora de controle , vem o puto e pisa no meu calo. Minha vontade na hora era pedir para ele aturar os pentelhos por 42 segundos sem um berro e desarmado. Mas fiquei na minha. Fazer o quê? A turma, mesmo com dois retirados de sala (sim, tirei de sala e vou pegar o gosto por isto em Fundamental daqui a pouco) estava um caos. Deprimente.

6º Ano:

A aula foi bem interessante. Formação do Universo e da Terra quando era aluno de Fundamental era algo que mexia com minha imaginação e busquei ao máximo, mesmo com a garganta doendo demais (a turma ficou preocupada comigo, me senti tão útil naquele momento! Era o que estava precisando pra recuperar minha concentração) fazer com que a aula tivesse aquele ar de incrível. Devido ao meu estado físico e mental, a aula saiu bem razoável, mas a turma aparentemente curtiu. Anotaram mais de duas páginas e não reclamaram!
O ponto ruim da aula: Um aluno solta bem no início da aula um sonoro Vai Tomar no Cú! Como não vi o outro menino que o xingou, pedi para que ele ficasse na primeira carteira da fileira. Nada demais, não é?
Acredita que o moleque começou a chorar por isto?
Minha primeira reação foi explicar a turma que ele tinha todo o direito de chorar. Agora só não tinha direito - assim como ninguém em sala - de xingar, ficar de deboche na aula e agir de preconceito com alguém.
A segunda foi pedir para que ele fosse ao banheiro lavar o rosto e depois beber água para voltar à aula. Não é que o moleque fez birra? Fingiu que não me ouviu! Então disse pra ele: - Não tá a fim de assistir minha aula? Então pode ir conversar com o diretor! Prontamente ele saiu com cara de bunda.
Esta manhã foi.... esquecível.

Brás de Pina - Méier

Pré - Técnico

Curso novo, turma nova... Ops? Turma? Só tinha um aluno em sala!! Resultado? Passei matéria... ninguém mandou faltarem! E a aula rendeu hein! Com direito a discussão geopolítica!

Méier - Vila da Penha

Pré - Vestibular

Sexta-feira de noite, sem chuva, com futebol (dos alunos) marcado para as 18:00? E agora? Ir para o futebol e depois beber uns chops ou assistir aula? Se estou na pele deles? Foda-se a monitoria!!! E foi o que fizeram! Não culpo eles, faria exatamente o mesmo.

Valeu! Prometo ser mais curto!

Ou não.... moar...moar... moar....

quarta-feira, 26 de março de 2008

Desafio

Terça-feira, Méier-Itaipú

O desafio desta semana está sendo dar aula com a voz por um fio. Meu "presente de Páscoa" foi ganhar um baita resfriado e o "medo" da suspeita de Dengue. Felizmente não estou com Dengue, mas a febre está indo e voltando toda hora. Se tem algo pior do que dar aula sem voz é estar com febra além de tudo. Fica difícil pra pensar, se mexer e falar. Mas consegui aos trancos me dar bem.

8º Ano:

Monitoria pré-prova é normalmente uma uma situação de caos. E quase perdendo a voz é pior ainda. Turma cheia... crianças gritando.... e o pior: Como poderia gritar? Ou sequer falar alto? Aquele era o primeiro tempo de 6!!

Resultado: Chego na sala e tenho uma supresa: Um dos alunos que assiste minhas aulas desde o primeiro dia me deu uma barra de chocolate de páscoa!!! Pô felizão que fiquei, né? O aluno sabe que eu não não tenho acesso as provas, então suborno não era! Entendi como sinal de gratificação e tive um ótimo impulso inicial!
Só que, quando se trata de uma matéria chata (eras geológicas) somada a crianças, é quase impossível dar a matéria e foi o que aconteceu.
Expliquei a matéria aos trancos e do nada um grupo começou a bagunçar. Automaticamente ohei para os alunos que já assistiam minha aula e disse:
- Agora vocês entendem que não teria diferença se fosse eu o professor de vocês? Com este comportamento irracional da turma, qualquer monge vira assassino!
Estresse a parte, pelo menos fechei parte da matéria. Ninguém mandou não virem antes.

9º Ano:

Desta vez apareceram três alunos novos: Um metaleiro (mais velho da turma, logo o "destaque"), um bagunceiro bucha e um playboy bagunceiro bucha. Realmente ontem foi uma verdadeira prova de fogo! Mas desta vez consegui até certo ponto superar a distração deles e fazer com que eles fizessem a aula.

Dica: Se você tiver alunos bagunceiros e buchas em sala, faça com que eles "montem sua aula". Faça comparações fáceis e deixe-os responder. As respostas "padrão" serão: "- Viu! Eu também sou nerd!", "Eu sou foda!" e coisas do tipo...
O objetivo é fazer com que a turma entenda a matéria. Se você entregá-la de bandeja, eles irão montar em você. Mas se você conseguir fazer com que pensem... PARABÉNS! VOCÊ VENCEU! (esta eu aprendi sozinho ^^)
E sim, sacaneie eles, aproveitando a matéria. Se tiver que chamar alguém de pobre (tipo aula de DIT, que foi o caso) chame eles. Se tiver que falar de população subdesenvolvida, fale deles (sem humilhar!). Bagunceiros são sadomasô, acreditem!

6º Ano:

Aula bem cansativa. A menina é inteligente mesmo! Ela dominou a matéria muito rápido, então tive que abrir espços durante a aula para ela relaxar a mente. Ela é uma pequena geógrafa em potencial! hehehe.

Itaipú - Del Castilho

De volta às origens seria o título perfeito para esta aula. A professora faltou e tive que juntar as turmas como bem fiz várias vezes ano passado. Para minha alegria dei aula para 123 pessoas sem microfone! Alegria porque adoro casa cheia! Não sou muito fã de turma pequenas quando se trata de pré-vest. Prefiro turmas gigantes, pois o impacto de participação é maior, além do que me confere gás extra! A pressão ao professor é, sem sombra de dúvidas, muito maior!
O mais legal foi que, todos prestaram atenção a aula e a maioria não viu o tempo passar então fui roubando os tempos até cansarmos. A voz e a turma. A aula rendeu de 20:20 às 21:50. Aula ótima, relembrou velhos tempos e a antiga e crescente vontade de fazer aulões épicos!
Se teve bagunça? Ha ha... Romulooww de pré-vest é do mal!!! hahaha

sábado, 22 de março de 2008

That's Revolutions Baby!

Quarta-Feira - Méier - Vila da Penha

Pré-Vest

A partir deste momento estarei postando as aulas em dias diferentes, para a leitura não ficar muito cansativa.
Esta monitoria foi....interessante. Mais uma vez fui descascado, só que agora eles estão com dúvida no meu ponto forte: Revoluções Industriais!!
Como quem já me conhece ou teve aula comigo, esta matéria é normalmente o ponto chave quanto ao estilo Romulooww de explicar a matéria. Sujeito escroto que sou, pedi para que me respondessem sob que ponto de vista eu deveria explicar a matéria: algum especícifo ou combo mode.
Óbvio que responderam combo mode! E minha risadinha macabra surge.... hehehehe

Pra começar, a aluna que propôs a explicação já foi me dizendo que odiava esta parte porque nada entendia. Em outras palavras, tinha que esculachar na explicação.

A explicação foi seguindo (ahcavam que ia contar o segredo da rapadura???) e tal... até que em um certo momento, esta mesma aluna falou altão:
- Cara, que show! Nunca pensei que fosse assim!

E o mais legal. Alguns alunos presentes na sala que estavam estudando outras matérias, passaram a prestar atenção na aula e isto aumentou mais ainda o gás!
Claro que eu ia deixar o gostinho de "CONTINUE?" para a próxima aula. Como digo, curiosidade é um veneno delicioso.

1º Ano:

Esta foi excêntrica. Chego na sala e somente tinha um casal de alunos sendo que apenas a menina era do primeiro ano. O rapaz pertencia ao preparatório de (blergh) militares.
Alguém já conheceu nerd com tique de conhecimento? Caraca! Eu tava me segurando pra não rir!
Tipo, a menina era até um pouco tímida, mas não foi muito difícil deixá-la a vontade quanto a participação na explicação. Porém, o rapaz era realmente excêntrico. Primeiro ele começou a fazer perguntas aleatórias de Geografia. Sobre relação entre Física, Astronomia, Geografia e Clima. Como também sou um cara que viaja pouco (bota pouco nisso) caí dentro e saí explicando tudo! De tremor no Nordeste a variação de translação!
Aí eu reparo o lance. Não é que a cada coisa "fantástica" que dizia o garoto começava a se tremer? Primeiro eu perguntei se tava tudo bem com ele (como a garota já conhecia a "peça", já tava escangalhando de rir). Só que chegou um momento que a matéria começou a ter vida própria! Tipo, tava muita viagem e o moleque começou a dar umas sacudidas bizarras.
A segunda pergunta já foi: "-Você quer que eu chame um pai-de-santo cara? Ebó pode ser a solução!"
Minha sorte é que depois desta a menina teve outra dúvida e os problemas astronômicos voltaram à orbita natural. Salvo pelo gongo.

Por falar em gongo, quando o sinal bateu, este garoto descobriu que estava na sala errada....

sexta-feira, 21 de março de 2008

God Metal que se cuide....

Terça- feira: Méier - Itaipú

8º Ano:
Como havia dito antes, esta turma ainda me deixa com o pé atrás. Devido ao bom entrosamento que tenho tido com eles, há um certo "rompimento" daquela barreira aluno-professor. Não sei se está acontecendo devido ao fato de ser o monitor ou de procurar explicar a matéria sempre com exemplos fáceis e práticos ou apenas pelo fato de ser novo. É uma incógnita.
De qualquer forma, desde o primeiro dia de aula, lancei uma aposta com eles: Se conseguissem achar uma coisa que não estivesse relacionada a Geografia direta ou indiretamente, eu teria que dar o meu braço a torcer que a matéria que do8u aula não é tão completa assim. Pode parecer uma idéia boba, mas prende os alunos e os força a conhecer outras coisas, além do que aplicando à Geografia, eles aprendem e entendem minha matéria. Está dando certo e ainda não perdi para eles hehehe.

6º Ano:
Carga horária aumentada lá. Desta vez darei aula individual a uma menina do 6º ano (Fundamental...de novo) que acabou de entrar no colégio. Inicialmente pensei que ia ser uma gritinho cover, mas tive uma surpresa: não é que a menina é esperta?
Pra começar, mal cheguei e ela disse que comprou uma bússola (daquelas pequenas) para se inspirar na matéria. Fiquei como né? Caraca!! Pequena geógrafa em formação!
Aproveitando esta, fiz uma pequena análise do comportamento e resposta dela quanto a atitudes (ééé professor é psicólogo também, tá pensando o quê?) utilizando a bússola de forma errada. Esperei três atitudes padrão:

1) Seu burro! Não é assim que usa! - Indica pessoa com potencial destrutivo.
2) Ahhh então era assim que teria que usar (cara de sonsa) - Aluno sonso é pior que destrutivo, porque se faz de bom e te queima pelas costas.
3) Não, acho que você errou. É pra usar assim. - Ufffa.... Candidata a Gandhi.
* Nesta cartada, para meu bem estar mental, a menina chegou mais perto da terceira opção.

A aula fluiu melhor que esperava. Ela era bem participativa e muito curiosa! Semprequeria associar o que explicava a coisas relacionadas com a vida dela. E o mais incrível!! Ela gosta de documentários do Discovery e do Natgeo!! Aí a aula foi na graxa. Ela entendeu a matéria e curtiu a explicação!

9º Ano:
Dar aula nesta turma me faz lembrar as aulas de um professor meu de Redação e Litaratura no Ensino Médio e Pré Vestibular. Tipo, o cara chegava na sala e era aquela bagunça! Mas na explicação, todos prestavam atenção. Era difícil conhecer alguém que não gostasse dele, pois as explicações eram sempre divertidas e inteligentes e ele tinha a habilidade de fazer as aulas passarem bem rápido. ÓBVIO que foi um dos estilos que herdei, e garanto, foi uma das melhores coisas que fiz. O porte de cara sério não condiz com minha realidade. Desde moleque sempre fui um palhaço irônico - houveram épocas que não, mas forram restauradas depois - e sem contar com os incontáveis apelidos (vou criar um post com a lista).
Outra aula-graxa. Expliquei a matéria e ainda deixei um ar de CONTINUE para interessá-los na próxima semana. O resultado foi excelente.

Itaipú - Del Castilho

Este feriadão veio bem a calhar. Por algum motivo tenho me cansado rápido, mas desta vez houve um motivo. Saí de casa as 10 e poucas da manhã e cheguei em Del Castilho as 20:30 hs e ESQUECI DE BEBER ÁGUA. Cara! Como alguém esquece de beber água?? Tudo bem, eu sou loiro e tal, mas isto é sacanagem!!!
O importante é que quando cheguei lá aluguei o bebedouro.

Mas a aula....

Na primeira turma a aula foi tranquila, mas estou com um grave problema: a aula só tem 40 minutos! Na minha opinião deveria ter, pelo menos, uma hora para que não seja corrido e nem estressante para turma. Resultado: sempre uma uma fimose de aula para a outra semana.

A segunda turma foi o ápice! Lá existem dois alunos Dragon Ball, sendo que um é reservado, presta atenção mas tem uma risada macabra (tipo de vilão de desenho animado) e o outro é o Bobo da Corte, mas é gente fina.
A ala estava correndo bem e tudo bem, até que em um certo momento falei uma bobeira e o Dragon 2 chega e me diz isto:

"-Eu gosto de Korn porque eles tocam com o coração!"

+ = ???????

O que eu respondi?

a) FODS....é realmente.... fofo.
b) Diretor! Corta!
c) Pede pra sair! Pede pra sair!
d) Ai, que lindo! Fresno também!
e) Algumas (ou todas as alternativas acima)

Depois desta, acabou terça.

GOD METAL, ESQUECE ISTO!

Amanhã eu falo de quarta-feira.

quarta-feira, 19 de março de 2008

Outro dia....

5ª série/6º ano

- Professor, você já foi a baile funk?

- NÃO.

- Você é crente?

- NÃO.

- Você érrr judeu?

- NÃO.

- Católico?

- NÃO (reparem a paciência).

- Você é o quê?

- EU SOU... MAL.

sábado, 15 de março de 2008

CAMPANHA: ADESTRE UMA CRIANÇA

Quarta-feira, Méier - Vila da Penha (1º dia)

Esta semana foi, sem sombra de dúvida sintetizada nesta frase: "Se tudo estiver ocorrendo perfeitamente bem na sua vida, tenha medo." - Vocês entenderão -

Esta quarta feira foi a estréia da monitoria em Vila da Penha. Desta vez, com o meu ponto forte: Ensino Médio e Pré-Vestibular. O fato de ali ter sido o monitor apenas pouco interferiu na minha didática e as explicações fluiram muito bem, acredito. Mais uma vez, os alunos foram muito legais comigo e fizeram algo que estava esperando: sugaram tudo o que eu sabia das matérias. A aula foi uma verdadeira batalha de pingue-pongue. Neste momento no meio das explicações cheguei a uma conclusão:

(tambores)

* Eu faço dumping mental e sou um chinês de mercado.
...
...... (grilos)

Resumindo foi muito show esta primeira experiência. Tanto no Pré Vestibular, quanto no primeiro ano.

Quinta-feira, Méier- RP (round 2)

Mais uma vez, um teste de resistência. Para eles e desta vez para mim. Não sei se é porque havia me esforçado muito no dia anterior, mas estava realmente exausto nesta aula. E, pra variar, estudei uma aula a frente e descobri isto só na hora da aula. A minha sorte é que era algo que eu possuía algum domínio.
Por sinal, está acontecendo algo lá que me preocupa. não está dando tempo de fechar as aulas. O tempo é muito pouco e a matéria muito volumosa. Espero conseguir ensinar a eles a matéria no tempo certo...
Mas, a aula acabou rendendo. O problema é que rendeu demais pois passei 15 minutos do tempo. Tinha alunos cambaleando, outros já sem saco (eu inclusive em ambas as situações) mas tinha que passar gás e, acima de tudo, o conteúdo (ou o máximo que desse).
Pelo menos o desfecho foi bom. Ao contrário das fugas que muitos alunos de pré-vestibular faziam (inclusive eu) em momentos de aulas puxadas, todos buscaram ter atençao na aula, o que me deixou muito contente! Final feliz.... sorriso pra sexta.

Sexta-feira, Méier- Brás de Pina

Como havia dito lá no início.... agora vem o medo....

Malthus estava certo (parte 1) 6ª Série (colocarei assim de propósito):

Eu tenho lá 2 horas para dar aula. Dividirei ao estilo mastercard os eventos:

1. Entrega dos trabalhos (a cena foi assim):
Sinopse:
O trabalho era consistido em uma pesquisa INDIVIDUAL de fotos de alguma região de PLANALTO, PLANÍCIE E DEPRESSÃO no Brasil.
Resumo:
- Um dos alunos me entregou uma página do livro do irmão mais velho (o livro que o garoto estava utilizando) e colocou dois nomes na folha.
- Outro desenhou (contornando as linhas do caderno) o que ele imaginava ser um relevo brasileiro. Deve ter pesquisado em alguma pintura de caverna ou algo do tipo.... 20 minutos.

2. Chamada: 7 minutos

3. Correção do "Para Casa": 20 minutos

Reparem que foi quase uma hora de praticamente nada!!

4. Matéria ditada (foi feita uma tentativa no quadro, mas.... acho que nem o Deus Metal ouviu tantos gritos): 1 hora

5. O tempo restante foi dedidado a esporros e sermões.


- Momento de reflexão (algumas perguntas):

* Os pais destas crianças existem mesmo?

* Eles comem o que antes de ir para o colégio? Ecstasy?

* O professor é algum tipo de pai/mãe terceirizado?

* Fundamental oferece seguro-saúde mental? Deveria ser obrigatório pelo menos...

Malthus estava certo (parte 2)
5ª Série:
0. - Pensamento - "Eu vou ficar mais calmo....eu VOU ficar mais calmo..... eu v...piiiiiiiiiiiiiiiii"

1. Entrada exigindo silêncio: 3 minutos

2. Correção do "Para Casa" (notem que eu fui o mais direto possível): 20 minutos

3. Explicações aleatórias (estas crianças tem o ótimo dom da curiosidade geográfica): 10 minutos

4. Entrega dos trabalhos:
Sinopse:
O trabalho consistia no desenho (manual ou não) de uma planta da casa, onde seria mostrada qual a posição da casa e dos cômodos segundo a rosa dos ventos.
Resumo:
- Tirando o rebu, apenas uma menina não entregou. Acho que ela teve vergonha de desenhar a planta.... isto pode ser um problema e vou auxiliar nisto.... 10 minutos

5. Decorrer da Aula
AGORA COMEÇA O MEDO REAL:
a) Há um menino que é repetente e é sacaneado sempre no intervalo por ser repetente (é chamado de burro) e por ser obeso. Um dos garotos falou isto no meio da aula:
- Seu gordo anormal!
Como não vi quem era e ninguem se prontificou a ser o dedo duro, tive que perder a aula dando uma baita esporro na turma para aprenderem a ter respeiro ao próximo (voltam os momentos de reflexão);

b) Quando vou explicar a matéria, dois garotos começam a trocar unhadas na minha frente. Como assim?? Foi uma das cenas de brigas toscas infantis mais afeminadas que já vi na minha vida! Pareciam dois cangurus se debatendo. Digno de Animal Planet.
Delicadamente (com este meu jeitinho meigo de ser) disse:

FORA DA SALA! AGORA!

E foi mais esporro......
Para vocês terem idéia, foi a primeira vez que expulsei alunos de sala. A vantagem é que não senti nenhum remorso por isto, ou seja, mexeu...desta vez vai feder.
Ah... e ainda consegui fechar parte da teoria. Milagrosamente e sem voz.

Méier - Vila da Penha

Acharam que a festa acabou?

Monitoria de novo lá. Aconteceu algo curioso. Por ser meu primeiro dia ou por simplesmente ser de uma matéria "escarrada" pela maioria dos vestibulandos, fiquei mais de meia hora aguardando alguem entrar na sala. Foi realmente deprimente.
Eis que surge um grupo de alunas que haviam assistido a aula na quarta-feira!! No mesmo momento em que me viram (inclusive me perguntaram o por que de estar no colégio), fizeram vários exercícios comigo. A tempo de monitoria, tecnicamente era de 20:30 as 21:30. Ficamos lá até as 22:05. Apesar do desgaste mental, a maioria das explicações foram boas, mas conseguir, naquela hora, os 100%, vai ser uma questão de tempo. As meninas salvaram boa parte do meu ego.
Fechei a semana com chave de ouro!

PENSAMENTO DA SEMANA:

SHIT HAPPENS...
DIARRÉIAS TAMBÉM....
MAS A BUNDA AINDA É PAIXÃO NACIONAL!
(sobre o amor pelas aulas ^^)

Estou lançando a campanha ADESTRE UMA CRIANÇA - Por um trabalho menos desesperador no Ensino Fundamental.

quinta-feira, 13 de março de 2008

O Chamado

Segunda- Feira, Méier- RP

Excepcionalmente esta segunda tive que substituir uma amigona minha lá no projeto, então reduzi um pouco o nível do espancamento (ops! aula) pra turma. Mais uma vez eu respondo a todos aqueles que me dizem que me esforço demais para ir a um lugar tão distante de casa e como voluntariado. VALE A PENA. Eles querem vencer e só precisam do empurrão certo. Sem falar no gás que eles dão pra gente. Só de saber que existem pessoas (independente da classe social e etc.) que prezam o próprio futuro, já me serve como incentivo.
Resumindo: Aula muito boa! O pessoal está com uma concentração ótima!

Antes que me esqueça, no mesmo dia o coordenador Romulooww ainda fez uma ponta no segundo ano!! hahaha

Terça - Feira, Piedade - Itaipú

Desta vez a monitoria me rendeu algo excelente! Pra variar esta semana tem me dado uma auto-estima fora do normal! Parece que, pelo menos boa parte dos meus alunos estão gostando de minhas aulas e isto está sendo incrível! Agora, as turmas:

O Pé Atrás - 8º ano (7ª série):

Bem quando cheguei tive uma sensação estranha. Não sei se é por que sou monitor ou se é do meu jeito, mas reparei uma certa "folga" dos alunos quanto minha presença. Espero que tenha sido apenas uma impressão, pois a turma encheu mais e fiquei sabendo pelo inspetor que eles estão fazendo minha fita para outros alunos e entre os professores. Vou deixar rolar e ver no que dá.

A Conquista - 9º ano (8ª série):

Sim, por intermédio de Alá, o 6º ano (do moleque do gritinho) foi trocado pelo 9º ano! Nem imaginem o quanto vibrei por dentro! Quanto mais próximo do pré-vestibular, melhor é o nível da minha aula, devido minha didática "pouco conservadora", sem contar que nenhum pré-adolescente ou adolescente vai dar gritinho de Sherra no meio da aula (a não ser que seja um feitiche, não sei). Santo mico.
Mas vamos ao que interessa:
Primeiro veio o meu mico. Entro na sala cheio de moral me apresentando e zoando alguém quando percebo que tinha alguem não uniformizado na frente do quadro segurando o giz.

CACETE!! ERA AULA DE MATEMÁTICA!! ESQUECI!!! (pensei)
Entrei meia hora antes na sala! Nem imaginem a cara que o monitor de matemática e a turma fizeram! E eu com cara de Dercy olhando pra turma sem reação. Grande entrada triunfal Romulooww mané!

ESQUECE...NÃO TAVA COM CARA DE DERCY

Mas meia hora depois chego na sala e.... todos saindo. Neste momento pensei em três coisas:

1º: Tão cagando pra Geografia (pra variar)
2º: Se me trocaram da 5ª pra esta 8ª e eles vão fugir... tô fudido!
3º: Aaaahhhhh mais não vai ficar nesta mesmo!!!

Por sorte me fixei no terceiro pensamento e estimulei algo que não falta em nenhuma idade: a curiosidade.
Primeiro perguntei o porque de todos sairem assim. A resposta foi clara e em conjunto:
- Por que esta (caras contorcidas) matéria só vale a pena estudar se for antes das provas.

(a partir deste momento vem uma mistura de experiência com minha fértil imaginação)
Mostrei normalidade e disse que a geografia era muito mais presente na vida deles do que eles imaginavam. E perguntei se eles gostavam de comprar coisas. A respota foi óbvia.
A partir daí, pedi para que me dessem o nome de alguma coisa que gostariam de comprar ou já comprarm que eu aplicaria a Geografia. (Mesmo com este desafio, todos ainda estavam de pé e com as mochilas a postos)

A resposta quase unânime foi PS2 (a maioria era de meninos na turma). Então comecei a explicar 3ª RI e tudo mais que todos que leêm já sabem.

Resultado: TODOS que iriam sair, voltaram seus materiais para a carteira e começaram a prestar atenção na aula e ficamos neste desafio até dez minutos depois do tempo de aula. Missão sucedida!

Terça-feira, Itaipú- Del Castilho

Acharam que o dia acabou?!
Primeiro dia na Catedral! Primeiro dia lá rapá! Então vamos....

Primeira turma:
Primeira impressão excelente! Apesar do quadro (acho que foi pra me lembrar o caos que era o ano passado, só pode ser), a turma é bem participativa, tem um certo "conteúdo oculto", mas vai dar pra explorar. A aula não teve muita porrada em si, devido ao quadro que não condizia com minha montagem de aula, então preferi por uma relaxada nesta aula pra porradaria estancar na que vem.
O ponto alto foi quando dei um socão na parede (não me lembro o porque), mas como a sala era chamada de "Espírito Santo" eu perguntei pra turma:

- Tem alguma sala de oração do outro lado da parede? Imagina só, nego tá rezando do outro lado e escuta o som do soco!? A primeira coisa que vão pensar vai ser: - ALELUIA!! É UM CHAMADO!!!

Turma 2:
Nesta também foi tranquila. A sensação que tenho é que eles terão um bom futuro, são bem participativos (ambas as turmas) e têm este "conteúdo oculto". Apesar desta turma ser menor, reparei que são mais extrovertidos (talvez pela menor quantidade de gente), mas que, assim como eu, já estão cansados.

Amanha eu falo de ontem e hoje. Cansei de escrever.

segunda-feira, 10 de março de 2008

O Lado Sombrio

Demorei pra escrever aqui mas foi devido a conturbações familiares... nada fora de praxis (sempre quis usar esta palavra ^^).

Méier Itaipú (terça-feira)

Primeiro dia em Itaipú!
Até hoje não entendo porque a maioria dos professores ficam nervosos antes das primeiras aulas ou no decorrer delas. Já fiquei sabendo de casos em que o professor cagou (literalmente) de medo da turma! Para mim, o primeiro dia não deve ser como uma "primeira vez", deve ser como uma introdução a um bom filme de ação de tema ruim. Deve-se envolver a turma com a idéia, sem mostrar os pontos negativos da rotina e para isto, criatividade e experiência de vida são fatores fundamentais.
Não nego que sempre surge um friozinho na barriga, mas eu acho extremamente importante, é excitante!
Acho que até hoje o primeiro dia mais medonho que tive foi na catedral no ano passado na turma "senzala". Foi um verdadeiro teste, pois o Rômulo de poucos anos atrás (2) tinha dificuldade de falar até com três pessoas ao mesmo tempo! Imagina noventa ALUNOS??!!!

Mas voltando...
Peguei uma turma de 8º ano (7ª série) e uma de 6º ano (5ª série). Pra variar mais uma vez vencendo os medos do Fundamental (sim, eu ainda tenho medo de crianças e com motivos) mas, desta vez eu fiquei supreso em uma e assustado em outra.

A surpresa (8º ano):

Como esta região de Niterói é tradicionalmente rica, achei que ia ter o perfil de aluno playboy estilo Barra da Tijuca ou Zona Sul, cheio de marra e seboso. Me enganei totalmente. Fiquei espantado! Tinha aluno que nunca me viu na vida e me cumprimentou! Os alunos do 8º ano foram muito maneiros a aula inteira, foi muito tranquilo explicar a materia e ainda deu tempo pra um bate-papo!
Coisa rara de se ver...pessoas ricas e legais. Fiquei mais uma vez impressionado. Mas espero que mantenham-se assim...e que a turma desta semana seja tranquila.

O susto (6º ano):

Imaginem a seguinte cena:
Estou de costas fazendo o quadro (coisa rápida, rosa dos ventos), quando do nada um moleque solta aquele grito fininho...alto... de quebrar os vidros da sala! Para dar um susto numa menina. Brincadeira de criança, não é? Bonitinho, não é? NÃO.
Agora imaginem esta cena:
A sala estava de porta e janelas abertas. O corredor faz eco a sala da diretoria. E o grito do infeliz deu pra ser escutado do lado de fora do colégio!
Resultado da ópera:
- A coordenadora e dois inspetores correram desesperados pra minha sala bufando e perguntando desesperados O que houve!! O que houve??
- Nasceram chifres na cabeça do moleque, acompanhados de uma cara sonsa e sombria (me lembra o desenho do Donald);


ASSIM MESMO

- Meu reto foi parar na laringe e pensei: PUTA QUE O PARIU!! VOU SER DEMITIDO NO PRIMEIRO DIA POR CAUSA DESTA ABERRAÇÃO!!! VOU SOCAR O APAGADOR NA BOCA DESTE (vários palavrões);
Mantive o controle (vermelho como um corno) e disse friamente (rangendo os dentes) e muito alto ao infeliz:
- Se você espirrar, eu te tiro de sala e falo pessoalmente com sua mãe. ESTAMOS ENTENDIDOS?!(o estamos entendidos com aquela minha cara de ditador, na frente das inspetoras e da coordenadora);
Mantive o emprego e ganhei moral (espero que por algum tempo).

Viagem de volta... cronometrada...amanhã tem Catedral depois de Itaipú (primeiro dia!!^^).

Méier - RP (quinta-feira)

Mais uma batalha vencida! Animei parte da turma com Geofísica. Mas cansei eles de novo. Diminuo o ritmo? Acho que não... moar moar moar.
(mais uma vez perdi um ônibus dormindo em pé no ponto).

Méier - Brás de Pina (sexta-feira)

7º ano:
Primeira vez que perco controle total da turma. Mas já estava me preparando para isto. Remédio?
- Turma (em voz baixa). O que eu disser a partir de agora cai na prova. E de sacanagem vou fazer questões difíceis (tá bem). Se vocês continuarem com bagunça vou fazer vocês escreverem muito hoje!
- silêncio total -
Escreveram 4 páginas, sem intervalos.
- Professor! Nós ficamos quietos! Por que escrevemos tanto?
- Não, vocês escreveram pouco porque estavam quietos. Se fizerem bagunça, esta só será a introdução.
MEDO...MUITO MEDO.
Ahh e o mais divertido!! A professora de inglês disse que pediram arrego na aula dela por causa da minha aula!!! Adorei!!

6º ano:
Neste dia pude usar o critério comparativo do perfil de turma. Não sei se é porque já me conhecem, mas tenho a impressão de que eles estão me respeitando bastante! As aulas estão cada vez mais interessantes e boa parte da turma bem interessada e curiosa pela matéria! Por incrível que pareça, estas crianças estão me animando quanto a Fundamental.

Já ia me esquecendo! Estou com fama de "professor observação" entre os alunos. E, entre os professores? Vão engolir o sapo por acharem que eu sou fraco.

Aprendi uma lição.

"Se você quiser exercitar o lado sombrio de sua personalidade, dê aulas para crianças."

sábado, 1 de março de 2008

A Necessidade faz o Homem

Méier, 1º de março

Este é o meu mês de aniversário. Semana que vem fará um ano do início da minha, espero que bem longa, jornada como professor.

Resumo da semana:

Quinta-feira, Méier - Rio das Pedras.

Cara, eu devo ter sangue de Fidel Castro, só pode ser. Não sei por que mas quanto mais tempo de aula, mais cheia a sala, mais animado fico!
O pessoal novo de lá está tendo um teste de resistência comigo. Por falta de tempo as aulas estão cada vez mais densas, e a tendência é ir aumentando a carga de conteúdo neles. Espero que aguentem.
Descobri mais um tique nervoso meu. Ficar em pé a aula inteira. Sempre tem algum aluno que diz:
- Para de ficar andando pra lá e pra cá Romulooww. Fica na cadeira!
E eu sempre digo:
- Não consigo!! Ahhrr é mais forte do que eu!!!

Para quem não sabe eu durmo no onibus, trem e as vezes até em pé esperando os "motoristas particulares".

Aí podem me perguntar: - Poxa, então porque você não relaxa?
Sabe porquê? A necessidade faz o homem. Simples assim.

Mostrar cansaço significa transmitir cansaço. Faça um teste: Chegue no elevador do seu prédio, com gente claro, ou em qualquer outro lugar e reclame da sua disposição. A pessoa vai compartilhar isto contigo, é fato.
Agora, mostre-se animado para qualquer um. Será transmitido e correspondido da mesma forma.

Da necessidade? A vida é um longo treino. Há aqueles que com pouco já estãrao querendo desistir. Há outros que demoram um pouco mais, mas se não descansarem, desistem. E há outros que só desistem quando morrem. Como não tenho medo da morte (acredite, tenho muitos motivos pra isso), só desisto dos meus objetivos depois que morrer.

Mas voltando a aula....

Acho que sou um cara de muita sorte. Acho que nunca tive uma turma que me desse muito trabalho. Existem as que te cansam realmente, mas é uma questão de energia, sempre. esta turma em especial, tem conseguido se superar. Pelo que a maioria me disse, praticamente tudo que estou passando nunca viram no colégio (publico a maioria, pra variar). Uma aluna minha (por sinal com um potencial tremendo) me disse que o professor disse sério que a Guerra Fria não era quente e acabou a matéria. Não merece uma voadora o sujeito?

Mas a matéria: Três tempos cara... Geologia, População e Meios de Transporte. Infelizmente não dei a aula como queria. É muito pouco tempo pra muita matéria, mas fazer o que né?

Méier-Bras de Pina - Sexta-Feira:

6ª série:
Primeiro stress com a turma. Já ameacei um de ir pra fora. Uma anomalia aconteceu na sala. No final da aula me vi discutindo política exetrna brasileira e economia com os alunos bagunceiros e os alunos nerds deram a louca e começaram a bagunçar!!! mas a aula tava um pouco chata mesmo. Algumas matérias realmente não tem remédio....

5ª série:
Esta eu tenho que tomar cuidado. Tive que parar a aula quatro vezes pra controlar a turma.
Na primeira disseram que eu parecia com o Chicken Little. PUTA QUE O PARIU!!! AGORA EU VIREI UMA PORRA DE PINTO!!!!! (pensei).Aí começaram a zoar, entrei na esportiva, mas aí...um aluno levou um pedala do outro. Fechei a cara e coloquei o Tysonzinho pra frente.

EU ME PAREÇO COM ELE?

Na segunda, a turma começou a gritar... tipo ...do nada!! E eu carinhosamente (moar moar) soltei um cala a boca! Ótimo! Dois minutos de sossego.

Dois minutos depois, um bate boca de : Esta folha é minha!! Não morde!!
(Caralho!!! O moleque nunca viu comida na vida?!!! Comer folha???)
Aí dei um esporro castrista e todos ficaram de cabeça baixa...

O quarto:
- É meu!! O estojo é meu!!!
- Professssoooooorrrr!!! - grita uma menina - Ele roubou meu estojo.
...... (neste momento fiz um "loading" de cara de ódio)
me virei pra turma e fiz akela cara de vilão de filme de terror chupando limão estragado
SILÊNCIO ABSOLUTO. Caraca, engoliram até saliva!

Me voltei ao quadro (que estava escrevendo) e com ar de mafioso (E RINDO PRÁ CARALHO POR DENTRO!!!), voltei a escrever e fechei a matéria.

Esta cena me fez lembra o filme " O Máskara", quando o Milo coloca a máscara e enfrenta um dos capangas.

Até a próxima!! Me desejem sorte, semana que vem promete!

Agora vaza!!!

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Supletivo a Menos, Moral a Mais.

Méier-Rio das Pedras Quinta-feira, 21/03

Primeiro dia no Construindo o Saber:
Cara, ontem eu tava empolgado!
Foi a primeira vez que eu peguei uma turma com "antigos" alunos! Me senti tão mais responsável! Foi uma experiência muito incrível!

Mas vou voltar um pouco no tempo...

Mesmo dia, Méier-Piedade-Méier-Engenho de Dentro-Méier-Buzão pra Rio das Pedras.
Resumindo: ANDEI PRÁ CARALHO!

E a primeira coisa que me passou pela cabeça foi: E agora? to cansado demais! Será que eu aguento dois tempos em ritmo pré-vest?

E a resposta? Não poderia ser melhor!
Quando vi meus alunos do ano passado, aqueles que fizeram do meu aniversário (pelo menos naquele dia) um dos dias mais importantes da minha vida, a energia e a vontade surgiram e eu consegui, finalmente, me livrar do papelzinho!!!!
Em minha mente foi um pouco mais exagerado que a propaganda da Oi de desbloqueio de celular hehehe...
E a aula? Foda...simplesmente. A saudade que eu tinha de dar aula para aquela turma (que possuia 13 alunos do ano passado e agora tem 40) e para um pré-vestibular foram saciadas em uma matéria que normalmente (mas não neste aula) dá muito sono (cartografia resumida) e em outra que eu adoro fazer (teorias demográficas). Agora, afiei a chuteira e vou direto na canela!

Méier-Brás de Pina Sexta-feira 22/02

Seguinte situação:
- Estação do Méier com o trem lotado R$: 2.20
- Estação São Cristóvão ehrrr com o trem lotado R$ NADA PORRA! TÔ FAZENDO BALDEAÇÃO!
- Trem via Saracuruna (você não sabe...e nem eu) + cabeçada na porta + um sovaco desconhecido na orelha + provavelmente uma pessoa que não deveter tomardo banho por duas semanas do teu lado + chegar em cima da hora... NÃO TEM PREÇO!
...É o drama suburbano...fazer o quê?!

Caraca, criança é que nem cachorro né... late pra cacete...te enche o saco!! mas no final das contas é quem salva tua pele e você ainda se apega!
Chego lá no colégio e tomo uma bomba de cara: Não vou continuar no supletivo. Porquê? Provavelmente só a CIA sabe.
E recebo um presente também: Minhas apostilas com meu nome (que bonitinho!! hahaha) e a série correspondente ^^.
As aulas se resumiram em alguns momentos épicos entitulados de:
-Não sei o que digo agora (no 7º ano)

-Professor, qual a sua idade?
-21.
-UOOOUUU!! E você tem namorada? Pergunta um dos alunos.
-Não.
- E filhos?
- Nem a porrada! (olhos arregalados)
- Professor? (uma menina do fundão)
-Sim.
- O senhor é moleque piranha?? (a mesma)
- LEIA O TÍTULO.

- O Cara com a moral: (no 6º ano)

- Professor posso falar um palavrão? Mas você vai gostar da frase.
-OK.
- O senhor é foda! É melhor que a velha escrota que dava aula pra gente!
- (ok, legal...)
Aí o velho momento BAGUNÇA INCONTROLÁVEL.. e eu digo em voz alta:
- Vou começar agora! (com cara de mau)
- (silêncio absoluto)

Crista erguida no final da aula, hehehe
...
E na volta...Kombi lotada com fumê ultra-dark e 88ºC dentro dela... só faltou o eucalipto pra perder os quilos e ficar cheiroso...

Agora Vaza!

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Kill Romulow


Este deve ser o meu milésimo blog. Pra variar agora quero escrever sobre a "minha nada mole vida" que como o nome diz (roubado da Rede Globo, é o mínimo que poderia fazer), deve ter tomado um overdose de viagra, gerando ápices de loucura e trágicos descansos brochantes.

Pra começar, vai uma SAGA de sexta-feira passada.

Méier-Brás de Pina, 15 de fevereiro de 2008.

Primeiro dia de aula! Cara, a cada dia que se passa eu consigo ver claramente quais os meus futuros:
1- O mesmo cara maluco de sempre, dando aula amarradão, como até então;
2- O mesmo maluco de sempre, com câncer de laringe de tanto dar aula (prospecção);
3- Idem, e com hemorróidas (se continuar andando de ônibus atéo final da carreira);
4- Talvez um professor ranzinza, mas pra isto acontecer... acho que só quando ficar broxa.
5- Sei lá, gari? Advogado também pode, não é?!

Mas continuando...

Primeira turma do dia: 6ª série AHHHRRR 7º ano, senão as mamãe começam a sacanear (lição número 1):

Minha primeira turma de fundamental... Caraca, nunca pensei que teria uma primeira aula em fundamental e sem falar sequer UM ÚNICO PALAVRÃO! As coisas mudam mesmo, hehe. Mas a turma colaborou, parece que possuia o modelo que eu sonhava: 4 prováveis bagunceiros, 3 nerds alguns figurantes e outros que tem seus altos e baixos. Melhor que isto?? Impossível!
Primeira aula dada, primeira impressão aparente, fora do normal!

Segunda turma do dia: 6º ano:
Lição número 2: Se quiser apresentar algo novo, a crianças que nunca te viram na vida, tendo idade para ser o irmão mais velho rabugento deles, não mostre, faça com que eles percebam o que eles querem ver.

Uma palavra resume esta turma: CURIOSIDADE. não me lembro direito de como era minha 5ª série, tirando o fato que eu fazia judô e era gordo (52 kg) com menos de 1.55m e com cara de programador mirim da microsoft. Esta turma me fez lembrar o filme "Meu Mestre Minha Vida".
É engraçado quando você entra numa sala e consegue ter um feeling tão bom que a turma te acompanha facilmente na matéria! Espero que não seja difícil deste tipo de coisa acontecer...
Apresentar uma matéria para uma turma era impossível até 15 segundos antes de começar a aula. Mas quando vi a turma, soube exatamente o que dizer! Orgulhosão que fiquei ^^!!!

Fim da manhã: Volta pro Méier de ônibus e um poça de baba na cadeira do lado...Se foi minha??!! Eu tava dormindo (hahaha) como poderia saber?

Noite, e round três: O PRIMEIRO SUPLETIVO (o tempo escurece e cai um raio)

Bem, esta noite de sexta-feira foi, no mínimo, exótica.
Na ida de trem, Samba e pessoas entrando no vagão (que estava tão cheiro que se eu arrotasse sairia pela boca da pessoa do lado) e mulheres e homens entrando como se fosse numa boate empaçocada e cerveja e lerê lerês e resultado inicial: Minha roupa ficou com cheiro 14 sovacos diferentes e alcool. -Muito bom!!! Primeiro dia e o moleque vira alcólatra (pessoas do colégio pensando ao passar perto).
A turma... bem foi de longe minha menor turma: UM aluno! Mas o legal é que o cara aguentou o tranco. Espero que o resto da turma não seja diferente.
A volta para o Méier se resume em uma frase:
" - Senhores passageiros! Quando eu virar a a esquina, TODOS SE ABAIXEM!!!"
Me senti um coadjuvante num filme trash de ação, provavelmente narrado pelo Tarantino.

Hoje é o reencontro! De volta a Stones River!

Amanhã continuo... agora vaza!